RPPN Sítio Sabiúna (clique aqui)

  • 152
  • 142
  • Paisagem-61
  • Paisagem-99
  • Paisagem-110
  • Paisagem-113
  • Paisagem-122
  • Sitio_Sabiuna-25
  • Paisagem-47
  • 113

Mirante Serra do Lopo é atração permanente na RPPN Sítio Sabiúna

Visual panorâmico e vegetação nativa preservada são atrações da RPPN. Mistérios também povoam a imaginação dos turistas.

Passa das 11h e o mirante Serra do Lopo já está repleto de visitantes e veículos estacionados ao redor. O ponto mais disputado entre a fronteira de Joanópolis (SP) e Extrema (MG) está incorporado à RPPN Sítio Sabiúna. “Atualmente, a pista está fechada e aguarda reforma, mas antigamente esse lugar abrigava campeonatos brasileiros e internacionais asa delta e paraglider”, lembra o advogado, engenheiro e atual proprietário da reserva Helmut Josef Gruber.

 

Dono de uma área de 60 hectares, sendo 50,5 destinados para RPPN, Gruber conta que apesar do fechamento temporário da pista, ainda hoje, o local é atração entre os moradores e turistas. Durante a rota, apesar das muitas curvas, subidas, buracos e algumas rochas que se erguem pela estrada, é comum encontrar grupos seguindo de carro ou a pé para aproveitarem melhor o dia.

A esposa do advogado, Ieda Coppini, usou a oportunidade para fazer um alerta sobre a importância de manter o mirante livre da degradação do homem. “As pessoas podem contribuir conosco não sujando essa área” e completa ao apontar para o nível mais baixo da pista “muitos fazem piquenique e descartam lá embaixo garrafas, latinhas e restos de comida. Isso é um verdadeiro transtorno para a natureza e um aborrecimento para nós”.

A área reconhecida pelo Ibama em 1995, abriga seis quedas d’águas, além de contar com uma vegetação nativa dominante e a presença de mamíferos, pequenos répteis e aves. Apesar da grandeza do lugar, não se assuste se ouvir histórias sobre o lobisomem: a lenda garante que a mata é moradia do famoso personagem folclórico.

Próximo a sede o misticismo também está presente em virtude de uma lápide muito curiosa. “Isso aconteceu nos anos 90, quando um grupo esotérico esteve aqui para um estudo. Depois de alguns dias avaliando essas terras sem incomodar ninguém, eles fizeram uma espécie de ritual religioso para a colocação de uma lápide. O motivo exato não me lembro. Mas parece que aqui seria o centro catalisador de energia do universo, só não tenho certeza,” se diverte o advogado ao recordar do estranho episódio.

Ainda assim, o que pode assustar mesmo, segundo Gruber, é a ação dos caçadores na região por conta da presença de macacos. “Da minha parte, sempre realizo uma vistoria para desmontar as armadilhas que as vezes são encontradas. Espero que eles se cansem deste tipo de ação um dia.”

Esquisitices e chateações de lado, ainda de acordo com ele, a administração da RPPN é uma de suas maiores conquistas longe dos grandes empreendimentos e escritórios de advocacia. Porém, o projeto inicial partiu de seu pai Josef Gruber. “Meu pai era austríaco, mas se naturalizou brasileiro. Ter uma área de preservação ambiental sempre foi o seu maior desejo. Quando ele adquiriu esse sítio, os incentivos fiscais da época contribuíram para a concretização desse antigo propósito. Hoje, eu e a minha família, temos prazer de cuidar da preservação dessa reserva. Inclusive, meus filhos querem futuramente fixar residência aqui”.

Sem investimentos públicos ou privados, a RPPN têm se mantido com recursos financeiros próprios. Mas, se depender de Gruber e de sua família, o futuro será promissor. Ele revelou que pretende terminar a reforma da sede, disponibilizar cavalos para percorrerem as trilhas mais longas, adquirir autonomia na geração de energia elétrica, retomar o cultivo da pequena horta para consumo próprio, instalar internet e, em breve, estudar uma forma de aumentar o número de aves nativas com a soltura de novas espécies.

“Minha família e eu temos valores de preservação muito consolidados. Meu pai era do campo e meu avó era lenhador. Meus filhos possuem muita ligação com a reserva e meus netos estão sendo educados para contribuir e respeitar”, conta. Ainda sobre o desafio de administrar tantas responsabilidade, Gruber é direto: “se fosse para fazer tudo de novo, ainda hoje, por inciativa própria, faria. Vale muito a pena!”, finaliza.

RPPN Sítio Sabiúna
Local: Joanópolis – SP
Ano de criação: 1995
Área total: 50,5 hectares
Proprietário: Helmut Josef Gruber
Visitação: Aberto à visitações e pesquisas

Preencha com seu comentário

Campos obrigatórios são marcados com *